A Adoção

Quem conta: claudiadias
Conta mais: nossos gestos são as nossas escolhas.

Tivemos uma capacitação de professores na instituição onde atuo como docente. Revi queridos, conheci novos colegas e entre um coffee break e outro sempre muitas histórias envolvendo momentos em comum e individuais, com percepções e reações atuais. No final, a certeza da gargalhada.

No primeiro dia, uma colega que acabara de entrar na instituição me chamou para almoçar. No decorrer do almoço a conversa foi relacionamento. Havia algumas crianças no restaurante com os pais e essa observação norteou o papo. Minha colega acabou de separar-se e comentava sobre sua grande vontade de ser mãe, da sua idade e ainda do sentimento que tem pelo ex-marido (que já possui 3 filhos).

Esse papo, que apesar de sério e dolorido, tornou-se descontraído porque ela não queria chorar, mas resolver uma vontade, ou melhor, uma prioridade atual em sua vida. Deixei que ela esvaziasse, sem interromper, contasse o que queria e precisava. Quando acabou, eu mencionei:
– Mas por que você está tão preocupada com sua idade? Esse é o fator que menos pesa nesse contexto, você precisa resolver de vez o amor que sente aí dentro e colocá-lo no lugar que ele mereça; depois entender que o avanço da medicina é grande e que mulheres de muito mais idade dão a luz sem intercorrências e problemas de saúde. Se você não puder gerar um filho, há tantos pequenos ávidos por um lar e um coração que os adote e preencha o vazio dessa ausência materna.

Ela abaixou a cabeça e segurou o choro dizendo que gostaria muito de gerar um filho e que não saberia como lidar com um filho de outra pessoa… eu só completei dizendo:
– Se em algum momento você passar por essa situação, verá que a escolhida será você e não eles. Deus nos fez e ele não comete erros!
Aí, inevitavelmente, caímos no choro.

Naquele momento pude sentir o que ela estava passando e entre uma lágrima e outra também senti essa vontade de ser mãe, de ser amada e ter uma família que seja minha. Isso fortaleceu a ideia de que, adotar é um ato extremo de doação e amor recíproco a quem irá escolhê-lo (a) para escrever as próximas páginas da sua vida. Afinal, adoção nada mais é que “adoçar um coração” e só submete-se a essa atitude quem tem coragem, pois a vida depende desta, que ditará o norte da felicidade que tanto procuramos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
close-alt close collapse comment ellipsis expand gallery heart lock menu next pinned previous reply search share star